domingo, 29 de março de 2015

Valeu a pena- reflexão sobre a melhor fase da minha vida

Olá minhas amigas e amigos leitores, que saudades!! Odeio quando sinto que o blog está abandonado, me perdoem! Eu amo tudo isso aqui, e sinto saudades de vocês… Mas quem me acompanha desde o início sabe que o blog sempre fica um pouco largadinho quando começo em um emprego novo, fico nervosa, estressada, minha vida fica uma bangunça e acabo me afastando do blog até conseguir pôr a vida em ordem. E é bem assim que estou agora, me adaptando à rotina nova, ao trabalho novo, tentando dar conta de tudo, controlando bem o tempo pra dar atenção pros meninos, marido (que tá de pé quebrado há 1 mês e tomando muito a minha atenção!), e a casa… que aliás está uma bagunça!!! Esqueçam a Nádia blogueira sobre organização, a realidade agora é outra. Minha casa tá uma bagunça só, não estou dando conta de nada!! Mas não quer dizer que o blog não seja importante pra mim, ele é e muito! E agora que estou pegando o tranco já vou voltar com as postagens normais, duas vezes por semana.

Em breve venho postar as fotos do último mês que foi cheio de acontecimentos… E em breve venho fazer o lançamento do meu segundo blog, o Mãe Adventista, que já está pronto e era pra ser lançado em fevereiro, mas acabei não tendo tempo pra isso!

Bom gente, mas ainda com tanto assunto pra pôr em dia com vocês, eu decidi tirar o dia de hoje pra fazer um post bem de mãe coruja, pois são os meus posts preferidos. Fevereiro e março são os meses dos aniversários aqui em casa. O Allan completou 10 anos no mês passado e agora o Pedro completou 6 anos. Que absurdo! Como pode meus meninos estarem tão grandes!!!!! Pára tudo que eu quero descer! Esse negócio de filho crescido demais não é pra mim, quero meus meninos pequeninhos pra sempre!


Eu morro de saudades de quando meus filhotes eram pequeninhos, e quando chegam os aniversários eu fico toda melancólica e saudosa… Mas acho que isso é uma coisa boa, é sinal de que aproveitamos muito bem a primeira infância deles. E é sobre isso que vim falar hoje. Ultimamente tenho pensado muito sobre como passou rápido e como aproveitamos bem a primeira fase da vida do Allan e do Pedro. Pra mim é muito claro que a melhor fase de toda a minha vida foi quando os meninos eram pequeninhos, bebês, e eu vivia só pra cuidar deles. Como era bom!!! Que tempo maravilhoso que não volta mais… Sou muito grata por ter ficado bastante tempo em casa com meus filhos, por não ter apressado as coisas e não ter atropelado a primeira infância deles. Pude curtir mesmo, cada momento. E hoje vejo o quanto foi importante criar esse vínculo forte com eles. Isso influencia muito a nossa relação  de agora, que eles estão grandes e independentes. Ainda temos um laço muito forte, porque foi construído lá no início. 


Agora que estou trabalhando como professora de bebês, na turma do berçário, noto o quanto essa fase é imprescindível e delicada. É nessa fase que tudo acontece, é o começo de tudo, a base que vai fundamentar todo o futuro da criança. Tenho notado aqui no Canadá o quanto as mães são desprendidas de seus filhos, elas não querem amamentar, elas não querem dar colo, abraços e beijos, pra não mimar demais, elas não querem ficar muito tempo em casa com os filhos, mesmo tendo 1 ano de licença maternidade elas escolhem voltar a trabalhar e mandam os babys pra creche com 5 mesinhos de idade, por opção! Isso me corta o coração, e como professora e mãe brasileira eu encho aquelas crianças de colo, abraço, afeto, carinho e amor! Trato eles como eu tratava os meus filhos, quando eram pequenos. Num dia desses eu estava conversando com uma mãe, que acabou de sair de sua licença maternidade e está com dor no coração de deixar seu filho de 1 aninho na minha turma, ela é uma das raras mães que encontro aqui que gostariam de ficar mais tempo em casa. Eu estava falando pra ela que fiquei muitos anos com meus filhos em casa, e que foi a melhor fase da minha vida, e ela disse "você teve sorte de poder ter ficado com eles". E essa frase ficou martelando a minha mente por vários dias desde então…

Eu cheguei à conclusão de que não tive sorte de ter ficado tanto tempo em casa com os meus filhos. Eu não posso chamar isso de sorte, e sim de uma escolha que fiz. Eu escolhi ficar em casa cuidando dos meus filhos o máximo que pude. Eu escolhi entrar mais tarde na faculdade, eu escolhi deixar minha carreira estacionada por um tempo, e me dedicar 100% à maternidade. Eu escolhi meus filhos em lugar ao dinheiro, e não foi fácil, mas valeu a pena. A primeira infância dos nossos filhos foi a fase mais pobre de dinheiro. O nosso dinheiro sempre foi contado, tínhamos o que precisávamos, nunca sobrava nada. Não podíamos gastar com supérfluos, o que entrava já tinha uma saída e estávamos sempre apertados. Eu criei meus bebês sem poder comprar roupinhas pra eles, e nunca fiz enxoval como gostaria. Até os 4 anos de idade, mais ou menos, o Allan tinha as roupas todas dadas de presente da família ou recicladas de primos e amigos. Quando os calçados não serviam mais eu pedia pros avós um tênis novo, a cada inverno uma avó comprava o casaco novo, e assim por diante. E quando o Pedro chegou, usou todas as roupas que foram do irmão. Eu não saía pra comprar roupas novas pros meus filhos, pois não tinha dinheiro pra isso. E isso não importava. Eles sempre se vestiam muito bem, nunca faltou nada e eu nunca senti falta disso. Também não comprávamos brinquedos pra eles, não tínhamos TV a cabo e aparelhos eletrônicos de última geração. Férias em família eram os vovôs que patrocinavam, nós realmente não tínhamos dinheiro pra todas essas coisas. Mas esses foram os melhores anos da nossa vida! Foi a época mais feliz! Hoje temos muito mais, mas passamos menos tempo juntos. Ficamos correndo atrás das roupas, dos brinquedos, dos passeios, dos aparelhos eletrônicos e tudo isso só nos afasta, e não nos traz felicidade.


Não estou dizendo que não somos mais felizes, é claro que somos, e vocês sabem disso. Mas vejo que éramos muito mais, porque estávamos sempre juntos. E com certeza o dinheiro que deixei de ganhar por aqueles anos que não trabalhei, não fizeram a menor diferença. Eu era presente 100% na vida dos meus filhos, e isso sim fez toda a diferença. Essa história de que tempo de qualidade é melhor do que quantidade é desculpa pra quem não pode (ou não quer) passar mais tempo com seus filhos, pois se tratando de educação e criação de filhos os pais precisam dedicar tempo sim, em grande quantidade!

Hoje nem é mais tempo de estar 100% junto com meus filhos, eles cresceram e precisam da independência. Com o passar do tempo vão precisando menos da mãe, e querer segurar eles é doentio. Mas vejo o quanto foi importante e bom ter estado 100% presente no momento certo. Na primeira infância (de 0 a 4 anos) o que uma criança mais precisa é da mãe. Não é socializar, não é de amiguinhos da escolinha, não é das atividades educativas e escolares, não é do dinheiro dos pais, não é de roupas lindas e brinquedos. Eles precisam da mãe. Da presença constante e da dedicação da mãe. E por eu ter feito isso tenho hoje uma relação muito boa com meus filhos, mesmo nessa fase em que estamos nos desprendendo e passando menos tempo juntos.

Fiquei com vontade de dizer tudo isso pra aquela mãe, que estava indecisa se havia feito certo em largar seu filho na escola pra voltar a trabalhar. Fiquei com vontade de dizer que não tive sorte, mas que escolhi trocar o dinheiro extra do meu emprego pra ficar com meus filhos. E nunca sentimos falta de nenhum centavo que deixei de ganhar. Mas cada hora passada em casa, com eles, fez a diferença. Todos nós sabemos disso, tanto eu quanto os meninos e o pai.

Eu não estou falando isso pra julgar as mães que decidem voltar a trabalhar por vontade própria. E não estou dizendo que eu sou a mãe certa nessa história. Estou dizendo tudo isso pra encorajar as que pensam como eu, as que querem ficar em casa com os filhos e ficam se perguntando se não valeria a pena trocar tudo pra voltar a trabalhar. Se você está passando por isso nesse momento, ouça a opinião dessa mãe que está um passo à frente, no seu futuro, que já passou por tudo isso e hoje vê o quanto valeu a pena.

Vale a pena todas as noites em claro, amamentando seu filho. 
As olheiras vão passar. O cansaço vai embora e as energias se renovam. 
Uma hora você voltará a dormir a noite inteira e nada do que passou vai importar mais.
Não faça disso um martírio. 
Não fique reclamando! 
Curta muito esse momento que passa voando e você nunca mais terá de volta. Esse momento é fundamental na vida do seu filho. Esse vínculo que você constrói a cada mamada é o vínculo que ficará por toda a vida, mesmo que eles fiquem grandes.

Não reclame da bagunça da casa. Não reclame por não ter tempo pra você. Não reclame por estar "só em casa" ou porque a sociedade não lhe dá seu valor. Pare de reclamar e curta esse momento com seu filho. É só isso o que importa agora, vocês dois (ou três, ou quatro)… Agora é o tempo pra vocês. Agora é o tempo de se dedicar pro seu filho.


Eu sobrevivi a esse período e hoje sinto muita saudade. Como gostaria de voltar no tempo e curtir novamente cada dia desses que eu reclamava tanto.

Valeu a pena sim, foram os anos mais felizes da nossa vida e hoje somos uma família unida porque foi assim que tudo começou. Estou aceitando e me conformando com o crescimento acelerado dos meus filhos, estou orgulhosa por ser mãe de meninos grandes e estamos curtindo as novidades de cada fase da vida deles. Mas eu deixo aqui pra vocês esse meu pedido, de que curtam muito a primeira infância de seus filhos que passa voando e não volta nunca mais. 


Parabéns Allan e Pedro por já serem meninos grandes!!! A mami ama muito vocês!!!

No próximo post venho com as fotos do aniversário do Pedro que aconteceu nesse domingo, e também com as entrevistas de aniversário, que são tradição aqui no blog.

Beijos, e até logo mais...


domingo, 15 de março de 2015

Meus diários de 2015

Hoje eu vim mostrar pra vocês dois caderninhos que estou usando neste ano de 2015, que servem como diários e estou gostando muito de usar. Já faz algum tempo que decidi não ficar mais usando o notebook na cama antes de dormir, esse era um hábito terrível que eu tinha e após ler uma reportagem falando sobre o quanto isso atrapalha o sono eu decidi parar. Coloquei como meta que vou sempre ler antes de dormir, e também decidi escrever um pouco, e por isso estou usando esses dois diários.


Esse caderninho de corujas é o diário do meu emagrecimento. Desde o primeiro dia do ano eu estou anotando tudo sobre a minha mudança alimentar e o meu progresso com o exercício físico. Nele eu anoto a minha pesagem semanal, anoto o que eu como, os desabafos, analiso o que está dando certo e o que não está funcionando, estabeleço minhas metas, etc. 

Essa está sendo uma ferramenta fundamental nesse meu processo de perda de peso, se não fosse por ele talvez eu não estaria indo tão bem. Já se passaram 3 meses e tem muita coisa anotada aí, e eu gosto muito de ler o que escrevi desde o início dessa jornada, me traz muita motivação. E quando sinto que estou perdendo o foco, eu pego o caderninho e anoto tudo o que estou pensando e escrevo as minhas metas, por isso tem me ajudado tanto.


Esse caderninho verde é mais especial, ganhei de uma amiga no amigo secreto de natal e decidi usá-lo como um diário dos melhores momentos de 2015. É um exercício muito bom parar todos os dias e analisar quais foram os momentos bons, isso mantém uma visão positiva e otimista da vida, aprendemos a ser mais gratos pelo o que temos e reclamar menos. Então nesse caderninho eu estou anotando os melhores pontos do meu dia, e estou fazendo isso em inglês pra aproveitar e treinar mais a escrita na minha segunda língua.

Na primeira página fiz essa capinha com o título "Projeto Documentando 2015".

Estou gostando muito de usar esses dois diários todos os dias, estou tirando um tempinho pequeno antes de dormir pra fazer isso por mim e está me fazendo muito bem!

Fica a dica pra vocês, ainda estamos no início do ano e nunca é tarde demais pra começar um novo projeto.

Beijos e até mais!




quarta-feira, 11 de março de 2015

Abrindo o coração

Não acredito que vou escrever esse post agora, às 11 da noite de uma quarta-feira, quando tenho uma montanha de roupas aqui em cima do sofá pra dobrar e guardar. Mas as roupas podem esperar, né? O que não posso deixar passar é esse momento pra expressar tudo o que tô sentindo aqui no peito. Tenho tanta coisa pra postar aqui no blog, tanta coisa aconteceu nos últimos dias e ainda quero contar tudo pra vocês... Mas hoje vim escrever sobre outra coisa. Sobre a saudade que tá me machucando e não consigo mais carregar sozinha. Preciso compartilhar com vocês pra ver se de repente alivia.

Pois é meus amigos... se passaram 2 anos e 4 meses desde que vi meus pais e minha família pela última vez. Não acredito que sobrevivi todo esse tempo. Não acredito que eu ainda não tinha escrito sobre isso por aqui. Quando estávamos vindo pro Canadá eu me perguntava se aguentaria ficar tanto tempo sem ver meus pais, pois sabíamos que em menos de 2 anos não voltaríamos para o Brasil. Eu sempre morei perto deles, criei os meus filhos bem apegados a eles, eu não fazia idéia de como seria essa separação. E já adianto que foi muito pior do que eu esperava. A saudade apareceu forte desde que pisamos aqui. E sofro desde então.

Mas descobri que eu sou forte e consegui encontrar uma maneira de "lidar" com isso. Eu escondo. Eu encubro. Eu vou tapando essa dor e procuro fingir que ela não está lá. Vou me mantendo bem ocupada e só espero o tempo passar. Esse é o meu consolo, ver o tempo passando rápido. Vou vivendo um dia de cada vez e prefiro que eles passem voando.

Nesse meu jeito bizarro de lidar com a saudade eu prefiro não tocar muito no assunto. Não cutuco a ferida, deixo de lado os sentimentos e deixo a frieza do inverno canadense tomar conta do meu coração.  Prefiro acreditar que construí uma rocha dentro de mim, e não fico escavando os sentimentos, pra não me machucar. Seguidamente a dor aparece, toma conta, é mais forte que eu. Aí eu choro, e choro por dias. Eu desabo. É um choro de dor. E isso que é a saudade dentro de mim, uma dor muito grande, das dores mais doídas que já tive. E é exatamente por isso que tento me proteger e escondê-la, não acordá-la.

Depois de 2 anos sem ver meus pais está praticamente impossível de acalmar esse vulcão dentro de mim. Perdi o controle. Eu sonho com eles todas as noites, e sonhos cheios de detalhes. São sonhos muitos reais e toda manhã eu acordo com raiva por ter acordado e por não poder continuar aquele sonho. Sempre sonho que estou na casa deles. Cara, como é bom abraçar o meu pai, nos meus sonhos! As lágrimas ardem ao rolar nesse momento, só de pensar na emoção de poder abraçá-los novamente!

Eu falo constantemente sobre o Canadá aqui no blog, não me arrependo dessa mudança e realmente amo demais esse país. Mas essa parte da saudade e de ficar longe da família supera tudo, e ultimamente tudo o que eu penso ao sair da cama todas as manhãs é que falta menos um dia pra ir pro Brasil. Não sei se todos conseguem lidar com isso, e não sei como vou lidar pro resto da vida. Já estou pensando agora que ir para o Brasil por apenas duas semanas vai ser só pra atiçar ainda mais a saudade. Não consigo pensar em me despedir de novo. E só tenho uma certeza daqui pra frente: não vou mais ficar 2 anos sem vê-los. Não temos condições de ir pro Brasil todos os anos, mas vou trazer eles pra cá, pra passarem mais tempo com nós. Preciso deles por perto. Eles são imprescindíveis!

Pronto, extravasei o que estava entalado. 

Agora bora seguir em frente, dobrar as roupas, dormir, sonhar, acordar, me ocupar, dormir de novo...e assim os dias vão passando.

AMO DEMAIS ESSE DOIS!!!!





sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Vlog do feriado: comemoração do aniversário do Allan em Niagara Falls

Nessa segunda-feira, 16/02 era feriado aqui no Canadá, e como faltava uma semana para o aniversário de 10 anos do nosso filho mais velho (que é na próxima terça, dia 24), o Tiago e eu decidimos antecipar a comemoração pra podermos aproveitar bastante. Tiramos a terça-feira off e assim tivemos um feriadão de 4 dias pra curtirmos juntos essa data tão especial para o Allan. Nesse ano deixamos ele escolher o que queria de aniversário, se queria festa, se queria um presente bacana ou um passeio, e ele escolheu fazer um passeio no parque aquático indoor de Niagara Falls. Ficamos todos empolgados com esse aniversário, pois todos nós curtimos, foi um presente pra família toda passarmos esses dias juntos. Amamos a escolha do Allan e decidimos que agora que os meninos estão grandes vamos passar a comemorar os aniversários assim, viajando e fazendo passeios especiais.

Niagara Falls fica na divisa com os Estados Unidos, há 120 km de Toronto. Além da atração principal, as cataratas, essa cidadezinha turística é cheia de atrações pra todas as idades, contendo cassinos, parques temáticos, muitos restaurantes diferentes, etc. Com certeza ainda vamos voltar muitas vezes lá pois tem muita coisa pra fazer, e não conseguimos aproveitar tudo de uma só vez (até por que tudo é muito caro!) então vamos explorar as atrações do Niagara por partes!

E para registrar esse feriado especial, decidi gravar o meu primeiro vlog! Fiquei um pouco tímida pois ainda não estou tão acostumada a gravar, estou saindo da minha zona de conforto mas acho que vale muito a pena fazer vídeos aqui para o blog, pois o registro fica mais completo e temos uma aproximação maior, vocês não acham?

Espero que vocês gostem desse primeiro vlog, confesso que foi difícil filmar tudo, ainda mais em um parque aquático quando você quer ficar aproveitando ao invés de filmar. Pulei muita coisa mas acho que consegui gravar as melhores partes. Vocês verão que no segundo dia só filmei o café da manhã e depois o encerramento, é que eu quis aproveitar ao máximo o último dia brincando na água quentinha. Ah, e vocês verão também que comemos muita porcaria, mas quando viajamos saímos da rotina e liberamos o fast food. Naquele café da manhã do Tim Hortons não se preocupem que eu não comi aquele monte de doces, foi só os meninos, eu comprei pra mim um bagel integral.

Bom, chega de papo e vamos ao vídeo!! Espero que vocês gostem:




Se vocês gostarem de vlogs eu gravo mais vezes! Não só de passeios, mas de momentos do nosso dia-a-dia também, da vida no Canadá, etc. Me contem nos comentários se gostaram ou não, e também deixem sugestões do que vocês gostariam de ver no meu canal do Youtube!

Aqui vai algumas fotos da paisagem branquinha do inverno no Niágara:





























Que paisagem de tirar o fôlego, né? Como a natureza é perfeita!!

Não fiquem só nas fotos não, assistam o vídeo, pois todo o passeio tá registrado lá, só tirei essas fotos da paisagem, mas no vlog tem muito mais!


Beijos!





domingo, 15 de fevereiro de 2015

Meu emagrecimento: -8kgs em 2 meses

Hoje vim dar um update no meu emagrecimento, que comecei a registrar nesse post aqui. Eu já contei pra vocês que na semana do natal descobri que estou com diabetes e tive que mudar radicalmente minha alimentação. Em função disso comecei a emagrecer e fiquei muito motivada pra perder os 10kgs extra que carrego há uns 5 anos. E estou muito feliz com os resultados obtidos nesses 2 primeiros meses de mudanças, já perdi 8kgs e estou pertinho de alcançar meu objetivo final!

(Estou anotando nesse caderninho o meu peso em todas as semanas, e vou comparando o meu progresso. Essa foto está desatualizada, agora estou pesando 67.6kgs.)

Minha diabetes também melhorou, graças a minha luta eu consegui baixar a glicose dos 9.5 que estava em dezembro para 4.8, que é glicose de pessoa "normal", sem diabetes. Mas não me livrei da doença, eu preciso cuidar constantemente tudo o que eu como pra glicose continuar baixinha assim. Qualquer alteração já faz a glicose aumentar. Pode ser algum stress, mudança de rotina ou até mesmo a TPM já faz os números aumentarem pra 7.5, o que me deixa bem frustrada, pois depois leva umas 2 semanas pra baixar novamente. Comer doces nem entra em cogitação, se como carboidratos além da conta a glicose já dispara! Então o negócio é continuar cuidando sempre, sem relaxar.

Esse foi um dia muito feliz!

O que tem sido fundamental para o meu emagrecimento e também para a diabetes é o exercício físico. Comecei a correr na esteira da academia do nosso prédio e isso fez milagres. Se não fosse pela corrida eu não teria emagrecido tão rápido, pois enquanto eu só mudei a alimentação e não tinha começado a me exercitar, meu peso estava estacionado. Mas com o exercício diário a balança vai mexendo bem rápido! 

Até arranjei um companheiro de corrida!

Eu estava viciando na corrida, corria de 45 a 60 minutos 5 vezes por semana, mas na semana passada dei uma parada. Fiquei 3 dias sem correr porque fiquei mal devido a reação de uma vacina que tomei, e depois fiquei com muita preguiça de voltar. Tive que me arrastar pra academia num dia, no outro achei uma desculpinha pra não ir, e assim fui enrolando a semana inteira. A pior coisa foi ter perdido o ritmo que eu tinha adquirido, agora está muito difícil de voltar. Mudar os hábitos não é nada fácil, posso ter perdido esses 8 quilos bem rápido, mas estabelecer o hábito do exercício físico e da alimentação saudável é uma luta diária. São escolhas que fazemos a cada refeição, todos os dias. 

Aqui está o que tenho comido nessa nova dieta. Tenho controlado bastante os carboidratos porcausa da diabetes, e tenho comido quase sempre a mesma coisa, não gosto de variar muito. Se é algo que eu gosto, que sei que é saudável e vai me ajudar a atingir meus objetivos, eu posso comer todos os dias sem reclamar.

Salada verde com frango grelhado, amêndoas, azeitonas e cranberry. Como bastante isso de janta:
Franguinho, salada, 2 col. de sopa de arroz e feijão:
Saladinha verde com frango, grão de bico e parmesão:
Peito de frango assado com saladas variadas, é o que como geralmente de janta:
Se eu como pão, quando como, é sempre integral e com esse queijinho light:
Esse é um dos meus almoços preferidos!! Franguinho com couve refogada (na água, não no óleo), e azeitona. Depois coloco só um fiozinho de azeite de oliva por cima pra adicionar saúde ao prato:
Isso é o que tenho levado na marmita pro trabalho todos os dias, frango e vegetais cozidos. Só de vez em quando eu levo arroz e feijão, mas geralmente é isso aí:
O meu café da manhã varia pouco também. Geralmente eu como uma banana amassada com canela, farelo de aveia e gérmen de trigo + um potinho de activia 0 açúcar com chia, morangos picados e côco ralado sem açúcar. Amo esse café da manhã! De vez em quando também faço mingau de aveia e coloco as frutas por cima:
Não como só frango como proteína, também como salmão, carne sem gordura, atum e ovos. Mas peito de frango é o meu preferido, e também é prático. Eu asso vários em uma forma e depois já separo as porções individuais para os almoços e jantas de vários dias.

Temos que estar muito determinados e motivados pra alcançar nossos objetivos, e vou mostrar pra vocês o que tem me ajudado a manter o foco. Fiz esse cantinho motivacional no meu quarto:

Todos os dias em que me exercito eu colo uma fitinha colorida na lista. E todos os quilos perdidos ganham uma fitinha também:
Essa foto é de 2 semanas atrás, agora já tem mais fitinhas na lista do exercício e uma fitinha a mais na de quilos perdidos.

Coloquei essas listas na parede ao lado do espelho e da balança. Esse é o cantinho propício pra eu me motivar. Também fica ao lado do closet onde eu visualizo minhas roupas e já me imagino cabendo muito melhor nelas. Muitas roupas que não me serviam mais estavam guardadas em uma mala, mas agora eu já pendurei elas nos cabides, pois quase todas já voltaram a servir. Essa é uma imagem que me traz muita motivação:



Se você também está querendo emagrecer, procure a sua motivação e veja o que se encaixa pra você. Talvez essa parede motivacional irá te ajudar.

Se você tem outras idéias, compartilhe comigo!

Estou lutando pra perder meus 10kgs, mas ainda quero perder +3 e chegar aos 62kgs, que era o peso que eu tinha antes da gravidez do Pedro. Fiz uma aposta com o marido, o que tem me motivado ainda mais! Se eu chegar nos 62kgs e manter por 2 meses, ele vai patrocinar uma comprinha pra dar uma renovada no meu guarda-roupa, já que as roupas estão ficando todas largas. Ainda bem que guardei algumas peças que não me serviam há anos, mas todas as outras roupas estão largonas, minhas calças ficam caindo, vai ser muito necessário fazer umas comprinhas quando eu chegar no meu peso final.

E vamos lá, rumo aos 62kgs!!! 

#projetomamaefininha


Beijos e vamos à luta!